Skip navigation

Monthly Archives: setembro 2008

Quando os nossos dias se tornarem obscurecidos por nuvens negras e baixas, quando as nossas noites forem mais negras do que mil noites. Lembremo-nos, que no universo a um grande e benigno poder , que e capaz de abrir caminho onde não há caminho, e de transformar o ontem sombrio num luminoso amanhã


Pela marca que nos deixa a ausência de som
Que a emana das estrelas
Pela falta que nos faz
A nossa própria luz a nos orientar
Doido corpo que se move
É a solidão dos bares que a gente freqüenta
Pela mágica do dia
Que independeria da gente pensar
Não me fale do teu medo
Ah, eu conheço inteira sua fantasia
E é como se fosse pouca
E a nossa alegria não fosse bastar
Quando eu não estiver por perto
Canta aquela música que a gente ria
É tudo o que eu cantaria
E quando eu for embora você cantará

Como eu adoro trabalhar em consultoria e treinamento de empresários, recebendo o convite de escrever para este blog (que eu adoro!) resolvi criar a Dinâmica da Valise.


 
Veja bem, é simples: trata-se de uma dinâmica para lembrarmos daquilo que realmente importa na nossa vida, daquilo que nos faz bem no nosso dia-a-dia.
 
E aí? O que você colocaria na sua valise? Se você pudesse guardar na sua valise todas as coisas boas e significativas do dia, o que você guardaria? Você pode fazê-lo, é só começar.
 
Eu, por exemplo, hoje guardaria na minha valise logo de cara o sonho que tive à noite. Foi um sonho ótimo no qual desfrutei da companhia de pessoas muito queridas (o mais maluco é quando acordei dei-me conta de que havia sonhado e que nenhuma daquelas pessoas eu conhecia na vida real) oras, mas foi bom mesmo assim!
 
O dia começou e começaram a acontecer as coisas importantes, boas, marcantes: uma troca de olhares tão casual quanto marcante, a gentileza das pessoas na rua quando me dão informações, um moço explicando orgulhoso que ele mesmo faz as cocadas que vende para mim (e que eu adoro!), a troca de saberes com os alunos, o respeito, o auto-respeito, o convite para escrever este texto, a troca blogueira (quer coisa melhor que isto?).
 
Então é isso mesmo, podemos guardar as coisas boas que nos acontecem na nossa valise. Não aceitar lixo externo ou interno, ver, enxergar o que vale a pena. Tudo vale a pena quando a alma não é pequena, isto porque quando a alma não é pequena, tudo o quanto vemos é grande, coisas pequenas não nos prendem.

Prof. da USP.

http://educacao.uol.com.br/biografias/ult1789u642.jhtm

Estamos nos aproximando do centenário de Machado de Assis…

http://www.machadodeassis.org.br/

Como não sentir saudade de um passado que nunca existiu? Lançar-se corpo e alma no breve túnel que trás o tempo que não veio. Dançar com os lobos num frenesi ritualístico de homem-sonho.

Não! Digo aos deuses que riem de minha mortalidade. Sim! Digo rindo-me de minha própria loucura.

Que eu possa me projetar além das mazelas – eu – gaivota – não Fernão – não nada.

E se o pequeno príncipe viesse proteger-me de mim e da vida.

Só se tem coragem para a morte quando o medo da vida é maior.

Finitude eterna.

Todo luto torna anjo aquele que um dia foi homem. Perfeição nascida de repente da humanidade.

Claro que neste tópico há variações de estilos, gostos e opiniões. Vou deixar aqui a minha opinião pessoalíssima:

E-mails: antes eu, como boa workaholik, trocava e-mails de trabalho sábados e domingos sem o menor problema porém, o se mancol foi se instalando e percebi que é uma p. pisada na bola fazer isto. Hoje em dia eu reservo o fim de semana para mim mesma, posso até trabalhar, mas não tenho mais coragem de enviar e-mails de trabalho para ninguém e acho péssimo quando alguém me faz isto.

MSN: outro dia um cara do nada me adicionou no MSN e veio: “_Oi querida… – Você é psicóloga? _ Mora em São Paulo?” Ai que papinho heim? Homens de plantão: quando me adicionarem no MSN sejam mais interessantes do que isto ok? Imaginem se fosse o contrário: se eu saísse por aí adicionando MSNs de homesn e introduzindo a conversa assim: Oi querido… você é engenheiro? Mora em São Paulo? Putz, acho que o cara ia pensar: de onde desceu este disco voador? Foi exato o que pensei. Acho que uma forma mais atraente de iniciar uma conversa com alguém cujo MSN você adiciona é: “Olá, adicionei seu MSN porque gostei do seu post sobre tal coisa, ou porque isso ou porque aquilo,” mas não faça um inquérito à sua “querida???” que nem sabe de onde voce aterrizou.

Não sou dona da verdade mas quis assinalar aqui minha opinião.

Kisses

Inania Verba

de

Ah! quem há de exprimir, alma impotente e escrava,
O que a boca não diz, o que a mão não escreve?
– Ardes, sangras, pregada à tua cruz, e, em breve,
Olhas, desfeito em lodo, o que te deslumbrava…

O pensamento ferve, e é um turbilhão de lava:
A forma, fria e espessa, é um sepulcro de neve…
E a Palavra pesada abafa a Idéia leve,
Que, perfume e clarão, refulgia e voava.

Quem o molde achará para a expressão de tudo?
Ai! quem há de dizer as ânsias infinitas
Do sonho? e o céu que foge à mão que se levanta?

E a ira muda? e o asco mudo? e o desespero mudo?
E as palavras de fé que nunca foram ditas?
E as confissões de amor que morrem na garganta?