Skip navigation

Category Archives: Filosofia

Temas livres em filosofia.

@rprota Somente para vc querida ~ Canto de Ossanha ~ http://bit.ly/dAIpCB

Valleeeu!

Canto de Ossanha
Vinicius de Moraes
Composição: Vinicius de Moraes / Baden Powell
-“O canto da mais difícil
E mais misteriosa das deusas
Do candomblé baiano
Aquela que sabe tudo
Sobre as ervas
Sobre a alquimia do amor”
Deaaá! Deeerê! Deaaá!
O homem que diz “dou”
Não dá!
Porque quem dá mesmo
Não diz!
O homem que diz “vou”
Não vai!
Porque quando foi
Já não quis!
O homem que diz “sou”
Não é!
Porque quem é mesmo “é”
Não sou!
O homem que diz “tou”
Não tá
Porque ninguém tá
Quando quer
Coitado do homem que cai
No canto de Ossanha
Traidor!
Coitado do homem que vai
Atrás de mandinga de amor…
Vai! Vai! Vai! Vai!
Não Vou!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Não Vou!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Não Vou!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Não Vou!…
Que eu não sou ninguém de ir
Em conversa de esquecer
A tristeza de um amor
Que passou
Não!
Eu só vou se for prá ver
Uma estrela aparecer
Na manhã de um novo amor…
Amigo sinhô
Saravá
Xangô me mandou lhe dizer
Se é canto de Ossanha
Não vá!
Que muito vai se arrepender
Pergunte pr’o seu Orixá
O amor só é bom se doer
Pergunte pr’o seu Orixá
O amor só é bom se doer…
Vai! Vai! Vai! Vai!
Amar!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Sofrer!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Chorar!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Dizer!…
Que eu não sou ninguém de ir
Em conversa de esquecer
A tristeza de um amor
Que passou
Não!
Eu só vou se for prá ver
Uma estrela aparecer
Na manhã de um novo amor…
Vai! Vai! Vai! Vai!
Amar!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Sofrer!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Chorar!
Vai! Vai! Vai! Vai!
Dizer!…(2x)

Reprodução
Desmond Tutu
07/10/1931, Klerksdorp, Transvaal.
Prêmio Nobel da Paz.

Luta contra o apartheid.

“Não somos amados por sermos bons. Somos bons porque somos amados. (Desmond Tutu)

Há tempos não me sentia tão bem quanto agora que encontrei um lugar de prática budista que concilia bom papo, pessoas inteligentes, conhecimento rebuscado sobre conceitos complexos com o karma (condicionamento) e meditação.

Saúde!

Fonte: ogimtonico

Diz-se que a escola é o trabalho das crianças e, de fato, o trabalho é também a escola dos adultos. Escola de diplomacia, de traquejo, exercício diário da arte da sabedoria. Pois é, nunca confie em alguém com mais de 20 anos (ditado revisto), por outro lado, nunca desconfie a ponto de virar paranóia. O equilíbrio é a chave do sucesso, em tudo e em todo o momento.

Fonte: equilibrio

Como definir o que senti no show de MÔnica Salmaso? Em palavras só não dá! Essta sua voz é tão ímpar que toca a gente viceralmente, a música penetra em nossos poros, sei lá (rs). Estou impregnada desta boa emoção que só a boa música nos dá. Obrigada Mônica por existir com esta voz brilhante.

Esta semana foi bastante frutífera para mim já que tudo tem seu lado bom (rs).

Lições que a vida nos dá:

1. Nem sempre gastar uma puta grana no salão renomado de nome francês vai me deixar melhor do que quando entrei lá. Às vezes é mais sábio e vantajoso em todos os aspectos ir em um cabelereiro de confiança na esquina de casa.

2. Fiquei sabendo ontem que nas periferias da cidade anda rolando baile funk pancadão com letras de música exaltando o sexo com garotas de 12 anos de idade e dizendo que as de 21 já são velhas. E o mais interessante: as meninas vão a estes bailes e curtem. Dizem até que quem entrar sem calcinha não paga. Isto é tão irreal mas parece que é a realidade na periferia.

3. Descobri que meu ex não gostava de mim. Tô com a auto-estima no pé (rs).

4. Também descobri que as pessoas pensam antes em si e em seus projetos privados do que na sociedade. Descobri que eu também sou assim e quero mergulhar neste modus vivendus cada vez mais.

Hoje não tem fotinhu pq to trsite…(rs)

Milan Kundera Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Ir para: navegação, pesquisa Milan Kundera (1 de abril de 1929, em Brno, Tchecoslováquia) é um autor tcheco. [editar] Vida Nascido no seio da erudita família de classe-média do senhor Ludvik Kundera (1891-1971), um pupilo do compositor Leoš Janáček e um importante musicólogo e pianista, o cabeça da Academia Musical de Brno de 1948 à 1961. Kundera aprendeu a tocar piano com seu pai. Posteriormente, ele também estudou musicologia. Influências e referências musicológicas podem ser encontradas através de sua obra, a ponto de poder-se encontrar notas em pauta durante o texto. O autor completou sua escola secundária em Brno, em 1948. Estudou literatura e estética na Faculdade de Artes da Universidade Charles mas, depois de dois períodos, transferiu-se para o curso de cinema da Academia de Artes Performáticas de Praga onde realizou suas primeiras leituras em produção de scrpits e direção cinematográfica. Em 1950, foi temporariamente forçado a interromper seus estudos por razões políticas. Neste ano, ele e outro escritor tcheco – Jan Trefulka – foram expulsos do Partido Comunista Tcheco por “atividades anti-partidárias”. Trefulka descreveu o incidente em uma de suas novelas, Kundera usou o incidente como inspiração para o tema principal de seu romance A Brincadeira, de 1967. Em 1956, porém, Kundera foi readmitido no Partido Comunista. Em 1970, porém, foi novamente expulso. Kundera, assim como outros artistas tchecos como Václav Havel, envolveu-se na Primavera de Praga de 1968. O período de otimismo, como se sabe, foi destruído no agosto do mesmo ano pela invasão soviéticacom exercito do Pacto de Varsóvia a Tchecoslováquia. Kundera e Havel tentaram acalmar a população e organizar um levante reformista frente ao totalitarismo comunista da União Soviética. Permaneceu neste intento até desistir definitivamente, no ano de 1975. Vive na França desde 1975, sendo cidadão francês desde 1980. Seus romances geralmente tratam de escolhas e decepções. Em seus livros é recorrente a crítica ao regime comunista e à posterior ocupação russa de seu país, em 1968, quando foi exilado e teve sua obra proibida na então Tchecoslováquia. Entre outros prémios, Milan Kundera recebeu, pelo conjunto da sua obra, o “Common Wealth Award” de Literatura (1981) e o “Prémio Jerusalém” (1985). Sua obra principal, “A Insustentável Leveza do Ser” ganhou em 1988 uma adaptação para o cinema, sob a direção de Philip Kaufman e com Daniel Day-Lewis, Juliette Binoche e Lena Olin no elenco. Recebeu 2 indicações ao Oscar e reconhecimento mundial. [editar] Obra Em seu primeiro romance, “A Brincadeira”, Kundera nos oferece quase uma sátira da natureza do totalitarismo do período comunista. Por força de suas críticas aos soviéticos, Kundera foi adicionado à lista negra do partido e suas obras foram proibidas imediatamente após a invasão soviética. Após se mudar para a França, Kundera escreveu O Livro do Riso e do Esquecimento no ano de 1979. Constituindo-sede uma inusitada mistura de romance, contos curtos e ensaios do próprio autor, o livro ditou o tom de suas obras pós-exílio. No ano de 1984, Kundera escreveu A Insustentável Leveza do Ser, seu trabalho mais popular. O livro é como uma grande crônica acerca da frágil natureza do destino, do amor e da liberdade humana. Mostra como uma vida é sempre um rascunho de si mesma, como nunca é vivida por inteiro, como o amor pode ser frágil e como é impossível de repetir-se. A obra, sucesso de público e crítica, ganhou sua versão cinematográfica no ano de 1988. Porém Kundera proibiu, a partir de então, a adaptação cinematográfica de seus outros livros. Em 1990 Kundera escreve A Imortalidade. O romance é o mais “cosmopolita” até então, sem situar o enredo dentro do universo social e político da República Tcheca como fizera até então. Possui um conteúdo explicitamente filosófico e pode-sedizer que é o início de uma segunda fase da obra do autor. Kundera reafirma publicamente que deseja ser entendido como um romancista em termos gerais, não um escritor político. É notório que o conteúdo político foi, a partir de A Imortalidade, substituído pela temática filosófica. O estilo de Kundera, entrelaçando digressões e ensaios filosóficos é grandemente inspirado em Robert Musil, Henry Fielding e na prosa do filósofo Friedrich Nietzsche. [editar] Principais obras Ficção A Brincadeira (1967) Risíveis Amores (1969) A Vida Está em Outro Lugar (1973) A Valsa dos Adeuses(1976) O Livro do Riso e do Esquecimento (1978) A insustentável leveza do ser (1983) A Imortalidade (1990) A Lentidão (1993) A Identidade (1998) A Ignorância (2000) Ensaios A Arte do Romance (1986) Os testamentos traídos (1993) A Cortina (2005)

Filme interessantíssimo de produção argentina em co-produção espanhola. Profundo retrata uma das muitas variáveis de relacionamento caótico e perturbado entre as pessoas. Mostra como desestruturações aparentemente pequenas nas famílias podem acumular-se em estragos profundos nas vidas das pessoas.

Película: Quiéreme
Director: Beda Docampo Feijóo
Origen: Argentina- España, 2007
Actores: Darío Grandinetti, Cristina Valdivieso, Ariadna Gil, entre otros.
Género: Drama
Duración: 95 minutos

adieu mon coeur (tradução)

edith piaf

Composição: Indisponível

Adeus meu coração

Adeus, meu coração
Jogam-te na tristeza
não terás meus olhos para morrer…
Adeus, meu coração
Os écos da felicidade
Tornam teus cantos tristes
Como um arrependimento

Outrora respiravas o sol de ouro
Caminhavas sobre tesouros
Éramos vagabundos
Amávamos as canções.
Isso acabou nas prisões

Adeus, meu coração
Jogam-te na tristeza
não terás meus olhos para morrer…
Adeus, meu coração
Os ecos da felicidade
Tornam teus cantos tristes
Como um arrependimento

Non, rien de rien                                       Não, de forma alguma
Non, je ne regrette  rien                            Não, eu não me arrependo de nada
Ni le bien quõn m’a fait                             Nem o bem que fizeram,
Ni le mal, tout ça m’est bien égal              Nem o mal, tudo é  igual

 

 

 

 

 

 

Avec mes souvenirs                                 Com minhas lembranças
J’ai allumé le feu                                       Eu alimentei o fogo
Mes chagrins, mes plaisirs                       Minhas aflições, meus prazeres
Je n’ai plus besoin d’eux                           Eu não preciso mais deles

 

Balayés mes amours                                Varri tudo, meus amores
Avec leurs trémolos                                  Junto com seus aborrecimentos
Balayers pour toujours                              Varri para sempre                          

 

  

 

Je repars a zero                                         Eu recomeço do zero
Non, rien de rien                                       Não, de forma alguma
Non, je ne regrette  rien                            Não, eu não me arrependo de nada
Ni le bien quõn m’a fait                             Nem o bem que fizeram,
Ni le mal, tout ça m’est bien égal              Nem o mal, tudo é  igual

  

Non, rien de rien                                       Não, de jeito nenhum
Non, je ne regrette rien                             Não, eu não me arrependo de nada
Car ma vie, car me joies                           Pois minha vida, minha felicidade

Pour aujourd’hui ça commence avec toi   No dia de hoje começam com você

Quanto mais eu vivo mais me surpreendo com o grau de crueldade e animosidade do ser humano. Este filme retrata uma passagem surpreendente da história da humanidade, e novamente de novo a igreja católica está retratada aqui por sua trajetória desviante, no mínimo isso.